Cronicas e reflexões

CONEXÃO SEM LIMITES

http://www.penhacronicasboselli.com/

Publicado por Cronicas/poesias/reflexões em Sexta-feira, 1 de março de 2019

sábado, 28 de fevereiro de 2015

TORTURA VIRTUAL


A gente paga o melhor plano,o melhor giga,o melhor mega,o melhor computador e pra que ? Heim ? Diz ai,pra que ? Todo santo dia a paciência da gente é desafiada por esse mega bosta de serviço ineficiente de internet.
Um dia é porque ventou,no outro dia é porque choveu,e no outro dia porque alguém peidou. Assim não dá. Programas interrompidos,downloads interminaveis,que não acabam nunca,fotos que se arrastam pela tela,e a paciência da gente indo pro ralo. Tem dias que o sistema flui bem,tem dias  ( ou horas ) que some completamente,como se tivesse sido abduzido por naves alienígenas.
A gente alí,sentada na cadeira,com uma idéia fresquinha na cabeça,babando de vontade de materializar na quarta dimensão,e aí fica a mercê de sinais que não chegam,energias que não fluem continuadamente, e cliques que falham mais que gago gaguejando. Quando finalmente o sinal volta,a gente nem lembra mais qual era a idéia,a semente,o cerne da questão. A gente perde o pique,o tesão do trabalho. Assim não dá viu !
Agora mesmo,passei por vários níveis de paciência,levantando da cadeira varias vezes,para dar um tempo. Arrumei cozinha e voltei ( baixei uma foto ).Tomei banho e voltei ( copiei e colei a foto ). Coloquei roupa na máquina de lavar e voltei ( escrevi um texto ). Fiz e tomei um chá,voltei pra cadeira e …chega ! Cansei ! Pára ! Pára tudo !
 Assim não dá ! Isso é tortura ! Tortura virtual.
Optei por desligar o computador e aguardar a normalização da internet,fazendo outras coisas mais amenas e agradáveis. Haja paciência …paciencia de monge budista,para lidar com uma internet assim.
É…assim não dá ! A minha paciência é adequada às coisas palpáveis ( materiais ) mas para coisas virtuais,decididamente ela não funciona. Essa virtude eu não tenho.

                                                                             *PenhaBoselli* / 2015