Cronicas e reflexões

CONEXÃO SEM LIMITES

http://www.penhacronicasboselli.com/

Publicado por Cronicas/poesias/reflexões em Sexta-feira, 1 de março de 2019

terça-feira, 2 de abril de 2019

O TEMPO E A COR

O tempo não pára e os ponteiros se multiplicam.A Lua se esconde, grande e vermelha,na sombra da terra.
Com mais ponteiros girando,o tempo se desdobra em múltiplas dimensões.Corre rápido demais,depressa demais,urgente demais. 
Os segundos do tempo,se mostram como preciosas oportunidades de refletir,decidir e agir.A hora é agora. 
No meu quarto,o tempo se manifesta em cores diversas e deslumbrantes. Eu não sabia que o tempo tinha cor. Conforme os ponteiros avançam,passando pelas nuances multicoloridas do relógio astral,sinto pela intuição da alma,que cada graduação de cor,corresponde a determinados momentos e portais do tempo.Mas não um tempo linear,como concebemos aqui na terra.É um tempo holográfico,multicolorido,cheio de conexões em uma ampla rede universal e cósmica.
Já não sei quantos ponteiros vejo no relógio,e quanto mais ponteiros aparecem,mais o tempo se amplifica e se expande.Meu quarto é o centro desse vórtice, dessa conexão energética (atemporal ? temporal ? extra temporal ?)
Fico olhando para esse misterioso relógio cromático que apareceu no quarto.Parece querer passar mensagens(avisos)sobre eventos que estão por acontecer e que trarão significativas mudanças para o planeta terra. Sinto intuitivamente, que o relógio intangível revela(de maneira surrealista e incompreensível para minhas limitações humanas)o tempo e as consequencias,da lua vermelha,do eclipse lunar,e da ação dos raios gamas sobre nós e nosso dna.
Pensei comigo que,um relógio que mostra o tempo através dos Sete Raios da Grande Fraternidade Branca,só pode estar relacionado a acontecimentos auspiciosos e benéficos para toda humanidade.É o relógio do Tempo Bom.Das Boas Novas.É o relógio da Esperança e do Porvir.
Finalmente o tempo da luz e das cores,desabrocha sobre a Terra.


Acho que é isso que o relógio astral quer me mostrar.
                               Maria da Penha Boselli* / Maat* 2015