Cronicas e reflexões

CONEXÃO SEM LIMITES

http://www.penhacronicasboselli.com/

Publicado por Cronicas/poesias/reflexões em Sexta-feira, 1 de março de 2019

segunda-feira, 23 de março de 2015

TREM BALA

Quando é que vai vir esse tal de trem bala ?
 Sou adepta da esperança ( aquela que é a última que morre ) de que os projetos saiam do papel. Mas que não demore muito,porque senão quando o corredor central estiver pronto,e as licitações estiverem concluídas,a humanidade já estará se teletransportando de um lugar a outro,em tubos quânticos de luz. E eu…talvez nem esteja mais aqui.

Quero trem bala já. Agora !
 Taquaritinga é muito longe de Sampacity. São horas intermináveis dentro da única empresa de ônibus,que pára mais que ponteiro de relógio engasgado. De carro até que a  viagem vai bem,se for fora de época tipo feriado, mesmo com a parada básica para uma mijadinha no posto Graal. Mas cansa. São quatro horas de viagem e mais quarenta ou cinquenta minutos até adentrar as entranhas da megacitymetrópole e chegar no destino final  (no caso… minha casa,minha vida ). Isso dependendo da hora que se chega. Se Sampacity estiver em horário de rush ou travestida de Sampachuva….vixi ! Esquece.
Pensou que beleza um trem bala ? Uma hora e meia até Araraquara ? No máximo duas horas para chegar em Taquaritinga ? Seria bão demais.
Com quem a gente tem que falar pra sair esse tal trem bala,e começar a construção imediatamente ? Quem é o bambambam responsável por projetos desse tipo ?
Heim ?Aqueles ? Os hóme responsáveis pelos trens do metro ? Xiiiii…..vai melar. Sei não…Se isso for verdade,o trem bala vai virar trem lesma.
Tsc…tsc…acho que meu sonho não vira realidade tão cedo. Que pena…tenho certeza que muito outros tauaritinguenses adorariam  viajar pelo trem bala. Pensou ?…subir num trem ás quatro da tarde lá em Sampa e desembarcar em Taquaritinga as 18:30, preferencialmente na porta do bar do Tadao ?Ia ser bão demais.

Simples…rápido…e eficiente. Mas…pelo jeito, a única coisa que caminha rápido nesse pais (atualmente ) é a dengue.

                                                                                                                  *PenhaBoselli* / 2015